Noticias pós campanha politica

VALDEVINO HERMANO DA COSTA

 

O Jornal O Tempo de BELO HORIZONTE 12/12/2012

            Nesta sexta feira o Jornal O tempo traça uma nova linha editorial sobre as eleições. Para o prefeito Marcio Lacerda eleito no primeiro turno, mostra perfil de tranquilidade apresenta seus planos de governo, e prevê lei orçamentária para 2013 com mais verbas para intervenções em diversos setores da administração.

O prefeito Marcio Lacerda parece demonstrar convicto de que seu plano para 2013 será de vitória, nessas perspectivas o BRT, saneamento e moradia são destaque de projetos enviado à câmara dos vereadores, com previsão de investimentos de R$2.270.149.884,00, para o ano de 2013.

           

Belo Horizonte sexta feira, 12/12/2012 jornal Hoje em Dia

            A página de política do jornal Hoje em Dia, após as eleições de domingo dia 07/10/2012, apresenta um momento de alivio no cenário político, essas são as palavras do ex-líder do governo Lula na Câmara dos deputados Professor Luizinho (PT-SP), absolvido no mensalão. A política de BH após eleições, no dia 12/12 o foco ficou para os vereadores reeleitos e recém-chegados marcados por reunião do atual presidente, vereador Leu Burguês. Com pequena ênfase de reunião para escolha do novo presidente da câmara dos vereadores, e a duvida de Marcio Lacerda em tirar férias já que ainda não tirou férias para não deixar a prefeitura nas mãos de seu vice Roberto de Carvalho por não confiar no mesmo.

 

Belo Horizonte sexta feira, 12/12/2012 jornal Estado de Minas.

            Jornal Estado de Minas desta sexta deu ênfase em uma discussão antiga entre delegado Edson Moreira e o Coronel Piccinini, ambos eleitos domingo dia 07/12/2012 a vereadores para o próximo pleito (2013). O delegado Edson Moreira e o coronel Piccinini foram entrevistados sobre a Guarda civis sendo onze perguntas para o delegado vereador e somente sete para o coronel que também foi eleito vereador, a resposta do delegado Edson, que chamou mais a atenção citada no texto esta em evidencia com os seguintes dizeres: “Estou defendendo a Guarda Municipal auxiliar a PM. Por que faço isso? Porque o numero de ocorrências de crime está gigantes”. Já o coronel Piccinini, respondeu o seguinte: “A gente tem a guarda municipal nas atividades que a constituição determina para ela e a PM também. A parceria é importante dentro dessas prerrogativas”.    

 

O Jornal Folha de São Paulo dessa sexta feira, 12/12/2012

            Em Belo Horizonte nesta sexta feira após as eleições a Folha de São Paulo mostra a manchete de capa, Haddad começa 2º turno com 10 pontos à frente de Serra, com titulo: Datafolha mostra petista com 47% dos votos, e tucano com 37%; Russomanno diz que não apoiará ninguém.  

 

Belo Horizonte, 12/12/2012 sexta feira- jornal O Globo.

            O jornal o Globo deu ênfase na política econômica onde o Ministro da Fazenda Guido Mantega afirmou que os países que formam o grupo Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) estão sendo afetada pela desaceleração da economia mundial, cujo centro ocorre nos países avançados.  

 

 

Anúncios

Eleições já não são mais principais destaques

Há menos de uma semana o Brasil se mobilizou e foi as urnas para escolher seus futuros prefeitos e vereadores. O assunto que ficou na mídia por cerca de um mês, hoje está quase esquecido e só representam notícias nas cidades onde vai haver segundo turno.
Nos Jornal Estado de Minas os principais destaques são em relação a última rodada do brasileirão, onde o Cruzeiro conseguiu uma vitória depois de sete rodadas sem vencer e o Atlético-MG perdeu pro Internacional, colocando em risco a segunda colocação do Campeonato Brasileiro. Na política, o destaque foi o mensalão e em uma pequena nota no canto direito falaram sobre a eleição. O assunto era o rastreamento dos resultados das urnas para mostrar os campeões de votos da cidade.

Já no Jornal Folha de São Paulo o destaque foi a eleição da capital paulista. “Haddad começa 2º turno 10 pontos à frente de Serra”, foi com essa chamada que a Folha estampou sua capa. O assunto eleição, pressupõe-se, que só seja assunto de capa devido ao segundo turno. As eleições mineiras ou belo horizontinas não tiveram qualquer tipo de destaque no Jornal.
O último jornal analisado, O Tempo Oline, trouxe como destaque a política, mas não as eleições. O assunto principal é a conta de algumas prefeituras que não serão fechadas. Os municípios, porém, cobram dinheiro não repassado pelo governo. Outro destaque político, assim como o Estado de Minas, é o mensalão. Destaques como o futebol e a saúde ficam a frente do destaque da manchete que anuncia mudanças de Márcio Lacerda. A manchete não se refere às eleições, mas sim aos projetos do prefeito reeleito Márcio Lacerda, que anuncia investimentos para projetos da Copa do Mundo e no Orçamento Participativo.

Cientista Político analisa eleições em Betim

Por Juliana Mizrahy, Lívia Magalhães, Nathália Campos, Olívia Pilar e Raissa Yelena

“A cidade tem potência para lucrar e força industrial grandiosa. A atual descrença da população em relação a presente prefeita pode acarretar um desestímulo a investimentos”. Essa é uma das falas do professor do departamento de política da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Malcon Camargos. Em entrevista, o cientista político analisa o embate para a prefeitura de Betim entre o candidato do PSDB, Carlaile Pedrosa e a petista Maria do Carmo Lara.

Em BH, o vídeo divulgado pelo PT contra Lacerda surtiu efeito negativo na campanha. Em Betim, mesmo com a divulgação do vídeo prejudicial ao Carlaile, ele continuou com um alto percentual de vantagem. Por que isso aconteceu?

O caso de Betim é bem específico. A candidata Maria do Carmo do PT, atual prefeita da cidade, teve o que podemos considerar de um pleito que a afastou de votos. O partido aparece pouco prestigiado na cidade e a negação ao partido é maior que a vontade de apoiar o candidato Carlaile. Maria do Carmo perdeu toda força política e o escândalo não se mostrou suficiente para afetar, em termos significativos, a eleição.

Há uma porcentagem muito alta de diferença entre os dois principais candidatos. Você acha que isso tem mais a ver com os candidatos em si ou com os partidos?

Como disse, acho que a porcentagem maior para um candidato é muito mais relacionada à força política do partido do que o candidato em si.

Betim é a sexta cidade que mais arrecada no Brasil. O que pode significar para o PT se a Maria do Carmo perder a eleição?

A quebra de um governo já estabilizado na cidade causa consequências complicadas de serem avaliadas. A cidade tem potência e força industrial grandiosas e a atual descrença da população em relação a presente prefeita pode acarretar um desestímulo a investimentos.

Você acredita que o PT tem perdido força em Minas Gerais?

A força que o PT tinha em outros períodos no estado era notadamente muito maior que atualmente.

Você acha que a vantagem do Carlaile em Betim interfere nas eleições de Belo Horizonte?

Acho que Carlaile não tem sustentação e prestígio político para interferir nas eleições da capital.

Além das reclamações com relação ao governo petista, o caso do mensalão pode estar influenciando?

O maior efeito do mensalão foi tornar o PT um partido igual aos outros. Até então, a legenda carregava a bandeira da ética e o discurso de que era diferente dos outros no modo de fazer política. Com o mensalão, a imagem mudou. Isso é negativo, pois, para a população, do ponto de vista simbólico, fica a impressão de que todas as legendas são iguais nas práticas. O que no fim acaba sendo uma verdade. Do ponto de vista eleitoral, para ele, o efeito é pequeno. Como todos são iguais, ninguém pode levantar a bandeira da ética. O eleitor vai escolher aquele que ele acha que pode ajudar a melhorar a sua vida.

A falta da oposição em Belo Horizonte acarreta o afastamento do eleitor em relação ao candidato do PT. O partido não conseguiu desvincular o apoio feito a Márcio Lacerda nas últimas eleições.

Semana pós-eleições municipais

Nessa quarta-feira os jornais da capital começam a deixar o tema das eleições de lado, após a vitória no 1º turno do candidato Marcio Lacerda do PSB. O prefeito conseguiu a reeleição com 52,69% dos votos válidos. Com a reeleição do prefeito e da escolha dos vereadores já definida, o julgamento do Mensalão tomou as manchetes dos jornais.

A manchete do Estado de Minas foi “Condenados” e abordava a condenação de Jose Dirceu, Delúbio Soares e Genoíno pelo STF no caso do Mensalão.

O jornal deu notícia sobre as demissões de petistas que trabalham na PBH, repercutindo a resposta do Partido dos Trabalhadores.

Outra matéria publicada era relacionada ao pouco índice de reeleição dos prefeitos mineiros. Dos 358 que tentaram a reeleição, apenas 169 tiveram sucesso.

O jornal “O Tempo” também aborda com mais destaque o julgamento do Mensalão, mas traz notícias sobre a disputa em Contagem e a espera de oito prefeitos eleitos no estado e que aguardam decisão da Justiça para tomarem posse.

A cobertura das eleições 2012 do Hoje em Dia ainda possui um caderno especial em sua versão virtual. A cobertura não se restringe a Minas Gerais e traz matérias sobre as eleições em São Paulo, além da disputa entre PSDB e PT pelas prefeituras do país e também sobre a maior facilidade obtida por Marcio Lacerda para bater o rival Patrus Ananias(PT) nas urnas. Em 2008 Lacerda não tinha experiência e nem contava com a máquina estatal, afirma a matéria.

Assim como nos jornais mineiros o julgamento do Mensalão tem maior destaque entre os noticiosos nacionais. As eleições ficaram para segundo plano. “O Globo” publicou matéria relativa às eleições na Venezuela de Chávez. Na matéria é exposta a forma como se procedem as eleições no país de Hugo Chávez, eleito novamente pelo povo venezuelano.

O jornal carioca aborda temas de alcance nacional e não apenas regionais como os jornais mineiros. O mesmo pode ser dito da Folha de São Paulo.

O destaque da Folha nessa quarta-feira é a decisão de neutralidade por parte do partido de Russomano, o PRB, no segundo turno das eleições para prefeito de São Paulo.
A publicação traz ainda a repercussão internacional da condenação dos petistas no caso do Mensalão.

 

Rodrigo Antunes

Marcio é reeleito prefeito de Belo Horizonte

(Alessandra Nardini, Laura Las Casas, Marcel Beghini, Mariana Viotti e Nathan Godinho)

Marcio comemora vitória com apoiadores em seu comitê (Washington Alves/UOL)

Marcio Lacerda (PSB), da coligação “BH Segue em Frente” foi reeleito  neste domingo (7) prefeito de Belo Horizonte, com 52,69% dos votos válidos. Seu principal adversário, o ex-prefeito Patrus Ananias (PT), da aliança “Frente BH Popular” ficou em segundo lugar, com 40,80%. Segundo o TRE-MG (Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais), o socialista recebeu 643.664 votos, enquanto o petista teve 500.877.

Maria da Consolação (PSOL) ficou em terceiro lugar com 54.530 votos (4,25%), ficando à frente de Vanessa Portugal (PSTU), com 19.908 (1,55%). Em seguida, estão Alfredo Flister (PHS) – 4.691 (0,37%)-, Tadeu Martins (PPL) – 3.728 (0,29%) e Pepe (PCO) – 782 (0,06%).

O resultado foi oficializado pouco depois das 19h, quando militantes, apoiadores e membros da coordenação da campanha já se reuniam no comitê central da campanha, localizado na Av. Raja Gabáglia. O prefeito reeleito, Marcio Lacerda, chegou para a comemoração acompanhado do vice-prefeito eleito, Délio Malheiros (PV), da esposa Regina Lacerda, do governador Antônio Anastasia (PSDB) e do senador Aécio Neves (PSDB).

Em seu discurso, Marcio disse que a reeleição é um sinal de que a capital está de acordo com o modelo de gestão que vem sendo aplicado nos últimos anos. “Esta eleição foi uma resposta sonora de sim ao nosso projeto. Agora precisamos ampliar mais a participação popular e focar em melhorias na saúde, educação e na mobilidade urbana”, afirmou.

2014

A nacionalização da campanha em Belo Horizonte, acirrada após uma estridente troca de farpas entre a presidente Dilma Rousseff e o senador — e pré-candidato ao Planalto pelo PSDB — Aécio Neves fez com que o senador comemorasse de forma efusiva o resultado, no comitê de campanha.

Ao lado da irmã Andrea Neves — uma das coordenadoras da campanha de Marcio Lacerda — , disse estar feliz ao lado de Lacerda e Anastasia. “São homens honrados e que muito fazem pela minha terra. Tenho orgulho de estar ao lado deles nesta noite”, afirmou.

Em meio a gritos de “Aécio Presidente”, o senador mineiro cutucou a presidente Dilma Rousseff, que trabalhou abertamente para a vitória de Patrus Ananias. “Minas jamais se curva. Muito pelo contrário, quem decide em Minas é o povo de Minas”, completou.

PESQUISAS

Marcio Lacerda liderou durante o período eleitoral, todos os levantamentos de intenção de voto feitos pelos principais institutos de pesquisa. Entretanto, uma alavancada na candidatura do petista Patrus Ananias na última semana, havia colocado receio na campanha do PSB, que temia a possibilidade de um segundo turno.

Nos últimos dias, o Ibope lançou pesquisa em que Marcio liderava com 55% dos votos válidos, enquanto Patrus aparecia com 40%. Em contraponto à esse cenário, que previa a vitória no primeiro turno, o Datafolha divulgou um levantamento que mostrava um acirramento maior na disputa. Marcio estaria com 50% e Patrus com 43%.

POLARIZAÇÃO

A campanha foi polarizada entre os candidatos socialista e petista, o que dificultou a existência de um segundo turno. O rompimento da aliança entre PSB e PT fez com que a presidente Dilma Rousseff estimulasse Patrus a disputar a prefeitura de Belo Horizonte, que durante mais de 20 anos contou com a presença de petistas – gestões de Patrus Ananias, Célio de Castro (que se filiou ao PT ao final de sua gestão, Fernando Pimentel e Marcio Lacerda.

CÂMARA

Assim como durante o seu mandato, Marcio Lacerda deverá ter maioria na Câmara Municipal. Em um cálculo em que se excluem os vereadores eleitos por PT, PCdoB e PMDB – siglas que apoiavam Patrus -, o prefeito eleito contaria com o apoio de 32 dos 41 parlamentares.

Dilma rebate críticas de Aécio Neves

 

Por: Ana Luíza Perdigão;

Anna Bella Bernardes;

Caio Barroso;

Keneth Borges;

Renata Diniz

Nessa quarta-feira (03), a presidenta Dilma Rousseff (PT)  rebateu duramente as críticas feitas pelo Senador Aécio Neves (PSDB), durante o comício do candidato à prefeitura de Bh,  Patrus Ananias, na Praça da Febem, no bairro Barreiro. Além de atacar de forma concisa, mas sem citar o nome do senador Aécio Neves (PSDB), potencial adversário nas eleições presidenciais de 2014, a presidenta também teve como alvo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o candidato à reeleição à Prefeitura de BH, Marcio Lacerda (PSB).

Aécio Neves na segunda-feira, durante evento de campanha de Márcio Lacerda, afirmou que acreditava na vitória do candidato do PSB, e alegou que “a população (de BH) conhece muito melhor do que qualquer estrangeiro que vem aqui às vésperas da eleição dizer vote nesta ou naquela direção” essa declaração teria sido o motivo dos ataques da presidenta durante sua visita a Belo Horizonte.

Durante o discurso a presidenta destacou que nasceu em Belo Horizonte, e utilizou sua militância durante a ditadura como motivo de ter deixado a capital, e ainda atacou novamente o senador ao Aécio Neves, que possui uma casa no litoral do Rio de Janeiro. “Esse pessoal que diz que sou estrangeiro, eu acho eles muito estranhos, muito suspeitos. Como sou estrangeira se saí daqui porque lutava contra ditadura? Eu quando saí daqui não saí para passear. Eu não fui passear, não saí para ir à praia, para me divertir. Eu saí daqui porque fui perseguida porque aqui começou, como em todo Brasil um grande, um forte processo de perseguição. Então eu quero dizer para vocês que na minha veia corre o sangue de Minas Gerais”, declarou a presidenta.

‘           As cutucadas da presidenta ao senador ocorreram por todo o discurso, ela afirmou ainda que seus opositores pretendem “apagar com a borracha” sua certidão de nascimento e que ninguém pode “achar que é dono de Minas Gerais.”

Aécio Neves emitiu nota respondendo as críticas da presidenta, “É lamentável ver que, até hoje, a presidente Dilma precisa gastar a maior parte do seu tempo tentando convencer os mineiros de que ela é mineira de fato. Ser mineiro vai muito além da certidão de nascimento. Sou forçado a concordar com o ex-presidente Lula. Como ele já disse: ‘A gente tem uma gaúcha governando esse país’.”

Contagem x pesquisas

Antônio, Ricardo, Valdevino

A corrida eleitoral no munícipio de Contagem apontava para a liderança do tucano Ademir Lucas, seguido do petista Durval Ângelo e da candidatura de Carlin Moura que surgia na 3ª posição das intenções de voto de acordo com as publicações dos principais veículos impresso da região metropolitana de Belo Horizonte.

Veja os dados da pesquisa:

Fonte: Jornal Estado de Minas

No dia 13 de setembro, a justiça eleitoral recebeu uma ação protocolada pelo PCdoB. O tribunal proibiu a divulgação de pesquisas eleitorais na cidade de Contagem. O motivo alegado foi que o Instituto Vox Populli, contratato para o levantamento não apresentou a simulação de segundo turno com os candidatos nanicos, que não pontuaram no cenário de primeiro turno, e portanto, sem qualquer chance de chegar à segunda etapa de votação.

A decisão em Contagem, tem caráter liminar. No entendimento da juíza Cláudia Luciene Oliveira, houve uma afronta ao artigo 3º da Resolução 23.364, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O texto diz que “a partir de 5 de julho de 2012 o nome de todos aqueles que tenham solicitado registro de candidatura deverá constar das pesquisas realizadas mediante apresentação da relação de candidatos ao entrevistado”.

Para os institutos de pesquisas, o cumprimento às normas é rigorosamente observado no primeiro turno, em que todos os candidatos registrados são listados. No entanto, no segundo turno, os pesquisadores consultam apenas os candidatos que têm chance de avançar para esta etapa. E que este procedimento vem sendo adotado nas duas fases de votação, desde que foram implantadas nas cidades com mais de 200 mil eleitores.